Ações

Fonte da Sorte, A

De Dicionário Madame Pince

A Fonte da Sorte

Autor: (Beedle?)

Conto infantil escrito originalmente em runas e muito popular entre os "contos de fadas" do mundo bruxo. Presente no livro "Os Contos de Beedle, o Bardo".
Os personagens principais deste conto são:

Houve intensa reprovação por parte da comunidade bruxa quanto a publicação do presente livro, como no caso de Lúcio Malfoy, que solicitou a sua retirada da Biblioteca de Hogwarts, pois não aceitava a retratação de miscigenação de bruxos e trouxas.
Em contrapartida, Dumbledore se negou e teve o apoio da maior parte do Conselho Escolar, o que levou a um intercâmbio interessante de cartas entre ele e Lúcio Malfoy.


O Conto

Uma vez por ano, um “azarado” tem a oportunidade de achar seu caminho para a Fonte, para se banhar na água, e ganhar “sorte para sempre”. Sabendo que essa talvez seja a única chance de verdadeiramente mudar suas vidas, pessoas (com poderes mágicos e sem) viajam das mais distantes terras do reino para tentar ganhar uma entrada para o jardim. É aqui que três bruxas se encontram e compartilham os seus contos da aflição.

A primeira é Asha, doente “de uma enfermidade que nenhum Curandeiro pode curar”, que espera que a Fonte possa regenerar sua saúde. A segunda é Altheda, que foi roubada e humilhada por um mago. Ela espera que a Fonte alivie as suas sensações do desamparo e a sua pobreza. A terceira bruxa, Amata, foi deixada por seu amado, e espera que a Fonte ajude a curar a sua “dor e o desejo”. As bruxas decidem que três cabeças são melhores do que uma, e elas juntam os seus esforços para alcançarem a Fonte em conjunto. A primeira luz, uma fenda na parede aparece e “Rastejadores” as alcançam e se põem em volta de Asha, a primeira bruxa. Ela agarra Althaeda, que pega Amata. Mas Amata é entrelaçada na armadura de um cavaleiro, e como as videiras puxam Asha para dentro, as três bruxas, junto com o cavaleiro, são puxadas pela parede e para dentro do jardim.

A partir de que só uma delas poderá se banhar na Fonte, as duas primeiras bruxas estão bravas que Amata inadvertidamente convidou outro competidor. Por que ele não tem poderes mágicos, reconhece as mulheres como bruxas, e é bem ajustado ao seu nome, “Sir Sem-Sorte”, o cavaleiro anuncia a sua intenção de abandonar a competição. Amata prontamente ralha com ele por desistir e pede para juntar-se ao seu grupo.

Em sua jornada para a Fonte, o grupo variado enfrenta três desafios. Primeiro, eles enfrentam o verme que exige ‘a prova da sua dor’. Após várias tentativas fracassadas de atacá-lo com mágica e outras coisas, as lágrimas de frustração de Asha saciam o verme, que os deixam passar. Depois, eles enfrentam uma encosta íngreme e são pedidos para pagar “o fruto dos seus trabalhos”. Eles tentam e tentam fazê-lo morro acima, mas passam horas escalando em vão. Finalmente, o esforço conquistado por Altheda quando ela torce por seus amigos (especificamente o suor da sua testa) passa-os para além do desafio. Finalmente, eles enfrentam uma correnteza em seu caminho e são pedidos para pagar “o tesouro do seu passado”. As tentativas de flutuar ou pular através falham, até que Amata pensa em usar a sua varinha para retirar as memórias do amante que a abandonou, e jogá-las na água. Pedras para passarem aparecem na água, e os quatro podem atravessar para a Fonte, onde eles devem decidir quem toma o banho.

Asha tem um colapso de exaustão e está próxima da morte. Ela tem tanta dor que não consegue ir até a Fonte, e ela implora a seus três amigos para não moverem-na. Althaeda rapidamente mistura uma poção para tentar revivê-la, e a mistura de fato cura a sua enfermidade, portanto ela não mais precisa das águas da Fonte. Curando Asha, Althaeda percebe que ela tem o poder de curar os outros e um modo de ganhar dinheiro. Ela não mais precisa das águas da Fonte para curar sua “impotência e pobreza”. A terceira bruxa, Amata, percebe que uma vez que ela tirou o seu desgosto pelo seu amante, ela foi capaz de vê-lo pelo o que ele realmente foi (”cruel e infiel”), e ela não precisa mais da Fonte. Ela se vira para o Sir Sem-Sorte e oferece a ele sua vez na Fonte como uma recompensa por sua bravura. O cavaleiro, assombrado com sua sorte, banha-se na Fonte e arremessa-se “na sua armadura enferrujada” aos pés de Amata e implora por sua “mão e seu coração”. Cada bruxa realiza os seus sonhos de uma cura, um malfadado cavaleiro ganha conhecimento de sua coragem, e Amata, a bruxa que teve fé nele, percebe que ela encontrou “um homem digno dela”. Um grande “feliz para sempre” para os nossos quatro alegres, que partem de “braços dados” Os quatro viveram muito anos, porém nunca saberão que as águas da Fonte “não contém nenhum encantamento”.


Antigo título: O Poço da Sorte, revelado em Relíquias da Morte.


Em inglês: The Fountain of Fair Fortune


Livros: RdM (p. 110), CdB







ESPECIAIS
<a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/Categoria:Arte">Fan Arts</a> | <a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/QG_Esfinge">Quizzes</a> | <a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/Portal:Vira-Tempo">Linhas do Tempo</a> | <a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/Categoria:Penseira">Biografias</a> | <a href="http://wiki.potterish.com/index.php/Portal:Sonorus">Citações</a>



Para correções, sugestões, críticas e elogios, entre em contato! Clique <a href="http://arquivo.potterish.com/?p=con">aqui</a>.