Ações

Citações:McGonagall, Minerva:OdF

De Dicionário Madame Pince

SONORUS

Citações por e sobre Minerva McGonagall


Citações de...

Mais:



De Harry Potter e o Cálice de Fogo

“- Afinal por que é que você está gritando, Potter? – perguntou com rispidez, enquanto Pirraça dava divertidas gargalhadas e desaparecia de vista. – Por que não está em aula?
- Me mandaram ver a senhora – disse Harry formalmente.
- Mandaram? Que é que você quer dizer com mandaram?”

  • OdF, capítulo 12.


“- Venha aqui, Potter.
Ele entrou atrás dela na sala. A porta se fechou automaticamente.
- Então? – perguntou-lhe a professora, zangada. – É verdade?
- É verdade o quê? – perguntou Harry, um pouco mais agressivamente do que pretendera. – Professora? – acrescentou tentando parecer mais educado.
- É verdade que você gritou com a Profª Umbridge?
- Sim, senhora.
- Chamou-a de mentirosa?
- Chamei.
- Disse a ela que Aquele-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado retornou?
- Sim, senhora.
A Profª McGonagall sentou-se à escrivaninha, observando Harry com a testa enrugada. Então disse:
- Coma um biscoito, Harry.
- Coma... o quê?
- Coma um biscoito – repetiu ela impaciente, apontando uma lata com estampa escocesa em cima de uma pilhas de papéis sobre sua mesa. – E sente-se.”

  • OdF, capítulo 12.


“A Profª McGonagall depositou o bilhete sobre a escrivaninha e olhou muito séria para Harry.
- Potter, você precisa ter cuidado.”

  • OdF, capítulo 12.


“- O mau comportamento na classe de Dolores Umbridge poderá lhe custar muito mais do que a perda de pontos e uma detenção.” - Que é que a senhora...
- Potter, use o bom senso – retorquiu a Profª McGonagall, com um brusco retorno à sua maneira usual. – Você sabe de onde ela vem, você deve saber a quem ela está se reportando.
(...)
- Diz aqui que ela lhe deu uma detenção para cada noite desta semana a começar amanhã – disse McGonagall, tornando a consultar o bilhete.
- Todas as noites desta semana! – repetiu Harry horrorizado. – Mas, professora, será que a senhora não poderia...?
- Não poderia – respondeu ela taxativamente.
- Mas...
- Ela é sua professora e tem todo o direito de lhe dar detenções. Você se apresentará na sala dela amanhã às cinco horas para a primeira. Lembre-se, pise mansinho perto de Dolores Umbridge.
- Mas eu estava dizendo a verdade! - Disse Harry, indignado. – Voldemort voltou, a senhora sabe que sim; o Prof. Dumbledore sabe que sim...
- Pelo amor de Deus, Potter! – exclamou a Profª McGonagall, acertando os óculos, muito zangada (contraíra horrivelmente o rosto quando ele usara o nome de Voldemort). – Você acha realmente que o que está em jogo são verdades ou mentiras? O que está em jogo é manter a sua cabeça baixa e sua irritação sob controle!
Ela se levantou, as narinas abertas e boca muito fina, e Harry fez o mesmo.
- Coma outro biscoito – disse, irritada, empurrando a lata para o garoto.
- Não, muito obrigada – disse Harry, com frieza.
- Não seja ridículo – ralhou McGonagall.
Ele tirou mais um.
- Obrigado – agradeceu de má vontade.
- Você não escutou com atenção o discurso de Dolores Umbridge no banquete de abertura do ano letivo, Potter?
- Escutei, sim. Eu a escutei... dizer... o progresso será proibido ou... bem, queria dizer que... o Ministério da Magia está entando interferir em Hogwarts.
A Profª McGonagall mirou-o por um momento, depois fungou, contornou a escrivaninha e segurou a porta aberta para ele.
- Bem, fico contente que pelo menos você escute a Hermione Granger - disse, mandando-o sair com um gesto.”

  • OdF, capítulo 12.


“- Ah, mal posso esperar para ver a McGonagall ser inspecionada – disse [Rony] feliz. – A Umbridge não vai saber nem o que foi que a acertou.”

  • OdF, capítulo 15.


“- Srta. Johnson, como se atreve a fazer um estardalhaço desses no Salão Principal? Cinco pontos a menos para a Grifinória!
- Mas, professora, ele arranjou outra detenção...
- Que história é essa, Potter? – perguntou a professora rispidamente, virando-se para Harry. – Detenção? De quem?
- Da Profª Umbridge – murmurou Harry, sem encarar os olhos penetrantes por trás dos óculos de aros quadrados.
- Você está me dizendo – perguntou ela, baixando a voz para que o grupo de alunos curiosos da Corvinal atrás deles não pudesse ouvir – que depois do aviso que lhe dei na segunda-feira passada você se descontrolou outra vez na aula da Profª Umbridge?
- Sim, senhora – murmurou Harry, olhando para o chão.
- Potter, você precisa se controlar! Você está caminhando para uma séria encrenca! Menos cinco pontos para a Grifinória outra vez!
- Mas... quê... professora, não! – exclamou Harry, indignado com a injustiça. – Já estou sendo castigado por ela, por que a senhora precisa nos tirar pontos também?
- Porque as detenções parecem não produzir o menor efeito em você! – respondeu a professora, azeda. – Não, nem mais uma palavra de reclamação, Potter! E quanto a Srta. Johnson, no futuro restrinja os seus gritos ao campo de quadribol ou se arriscará a perder a função de capitã do time!”

  • OdF, capítulo 15.


Harry sobre a Profª McGonagall: “- Ela tirou cinco pontos da Grifinória porque minha mão está sendo fatiada todas as noites! Como é que isto pode ser justo, como?
“- Eu sei, cara – disse Rony solidário, servindo bacon no prato do amigo. – Ela está completamente baralhada.”

  • OdF, capítulo 15.


“- Agora chega – disse ela [Profª McGonagall], e os alunos fizeram imediato silêncio. – Sr. Finnigan, tenha a bondade de vir até aqui e entregar esses deveres aos seus colegas... Srta. Brown, por favor, apanhe esta caixa de ratinhos... não seja tola, menina, eles não vão lhe fazer mal... e dê um a cada aluno...
- Hem, hem – fez a Profª Umbridge, usando a mesma tossezinha boba que usara para interromper Dumbledore na primeira noite do ano letivo. A Profª McGonagall fingiu não ouvir. Simas devolveu a Harry o trabalho dele, que o apanhou sem olhar para o colega e viu, para seu alívio, que conseguiu um “A”.
- Muito bem, ouçam todos com atenção... Dino Thomas, se fizer isto outra vez com o ratinho lhe darei detenção... a manioria da turma conseguiu fazer desaparecer lesmas, e mesmo aqueles que as deixaram com vestígios do caracol entenderam o objetivo do feitiço. Hoje, vamos...
- Hem, hem – fez a Profª Umbridge.
- Sim? – disse a Profª McGonagall se virando, as sobrancelhas tão juntas que pareciam formar uma linha única e severa.
- Eu estava me perguntando, professora, se a senhora teria recebido meu bilhete avisando a data e a hora da sua insp...
- Obviamente que a recebi, ou teria lhe perguntado o que está fazendo na minha sala de aula – disse ela, dando as costas com firmeza à Profª Umbridge. Muitos estudantes trocaram olhares de alegria. – Como eu ia dizendo: hoje, vamos praticar o Feitiço da Desaparição em ratinhos, que é bem mais difícil. Bem, o Feitiço da Desaparição...
- Hem, hem.
- Eu me pergunto – disse a Profª McGonagall numa fúria gélida, virando-se para a outra – como [e que você espera avaliar os meus métodos de ensino habituais se continua a me interromper? Em geral, eu não permito que as pessoas falem quando eu estou falando, entende?
A Profª Umbridge pareceu que tinha levado uma bofetada no rosto. Não falou, mas endireitou o pergaminho em sua prancheta e começou a escrever furiosamente.
Parecendo surpreendentemente indiferente, a Profª McGonagall se dirigiu mais uma vez à turma.
- Como eu ia dizendo: o Feitiço de Desaparição se torna mais difícil quanto maior é a complexidade do animal a se fazer desaparecer. A lesma, como invertebrado, não apresenta grande desafio; o ratinho, como mamífero, oferece um desafio muito maior. Não é, portanto, um feitiço que se possa realizar com a cabeça no jantar. Vocês já conhecem a fórmula cabalística, então vejamos o que são capazes de fazer...”

  • OdF, capítulo 15.


“- Há quanto tempo você está ensinando em Hogwarts? – perguntou a Profª Umbridge.
- Trinta e nove anos, agora em dezembro – respondeu McGonagall bruscamente, fechando sua bolsa com um estalo.
Umbridge fez uma anotação.
- Muito bem, você receberá seu resultado da inspeção dentro de dez dias.
- Mal posso esperar – respondeu McGonagall, com uma voz fria e indiferente, e se encaminhou para a porta. – Andem depressa vocês três – acrescentou para Harry, Rony e Hermione à sua frente.”

  • OdF, capítulo 15.


“- Você não recebeu mais uma detenção! – exclamou [Profª McGonagall] ao vê-lo, seus óculos quadrados faiscando assustadoramente.
- Não, professora! – apressou-se a tranqüiliza-la.
- Então, por que não está na aula?
- Pelo jeito é urgente – comentou a segunda gárgula em tom de crítica.”

  • OdF, capítulo 17.


“- Potter!
- Sim, senhora professora.
Ela olhou para os dois lados do corredor; havia estudantes vindo de ambas as direções.
- Não se esqueça – disse depressa em voz baixa, seus olhos no pergaminho que ele segurava – de que os canais de comunicação, de e para Hogwarts podem estar sendo vigiados, sim?”

  • OdF, capítulo 17.


“- Então? Nunca vi uma exibição tão vergonhosa. Dois contra um! Expliquem-se!
- Malfoy nos provocou – disse Harry formalmente.
- Provocou vocês? – gritou a professora, batendo na mesa com tanta força que uma lata escorregou para um lado e se abriu, enchendo o chão de lagartos de gengibre. – Ele tinha acabado de perder, não tinha? Claro que queria provocar vocês! Mas o que poder ter dito para justificar o que vocês dois...
- Ele insultou meus pais – vociferou Jorge. – E a mãe de Harry.
- Mas em vez de deixarem Madame Hooch resolver vocês dois decidiram fazer uma exibição de duelo de trouxas, não foi? – urrou a Prof ª McGonagall. – Vocês têm idéia do que...
- Hem hem.
(...) - Posso ajudar, Porf ª McGonagall? – perguntou ela com sua voz meiga mas venenosa.
O sangue afluiu o rosto de McGonagall.
- Ajudar? – repetiu, num to de voz controlado. – Que é que você quer dizer com ajudar?
A Prof ª Umbridge entrou na sala, ainda exibindo seu sorriso doentio.
- Ora, achei que poderia agradecer um reforço de autoridade.
Harry não teria se surpreendido de ver faíscas saltarem das narinas da Profª McGonagall.
- Pois se enganou – disse ela voltando as costas à Umbridge. – Agora, é bom os dois me ouvirem com atenção. Não sei qual foi a provocação que Malfoy fez, não quero saber se ele ofendeu cada membro das suas famílias, o seu comportamento foi vergonhoso e vou dar a cada um uma semana de detenção! Não olhe assim para mim, Potter, você mereceu! E se um dos dois voltar...
- Hem, hem.
A Profª McGonagall fechou os olhos como se rezasse pedindo paciência quando tornou a voltar o rosto para Profª Umbridge.
- Sim?
- Acho que els merecem muito mais do que detenções – disse Umbridge apliando o sorriso.
Os olhos de McGonagall se abriram de repente.
- Mas, infelizmente – disse, tentando retribuir o sorriso, o que fazia parecer que estivesse acometida de tétano. -, o que conta é o que eu penso, porque eles pertencem à minha Casa, Dolores.”

  • OdF, capítulo 19.


“- Bom, Minerva, na realidade – disse Umbridge afetando um sorriso. Acho que você vai descobrir que o que eu penso realmente conta. Vejamos, onde está? Cornélio acabou de me enviar... quero dizer – ela deu uma risadinha fingida enquanto remexia na bolsa – o ministro acabou de me enviar... ah, sim...
Puxou um pergaminho que agora começava a desdobrar, pigarreando com exagero antes de começar a lê-lo.
- Hem, hem... Decreto Educacional número 25.
- Mais um, não! – explodiu a Profª McGonagall.”

  • OdF, capítulo 19.


próximo --->






ESPECIAIS
<a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/Categoria:Arte">Fan Arts</a> | <a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/QG_Esfinge">Quizzes</a> | <a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/Portal:Vira-Tempo">Linhas do Tempo</a> | <a href="http://www.potterish.com/wiki/index.php/Categoria:Penseira">Biografias</a> | <a href="http://wiki.potterish.com/index.php/Portal:Sonorus">Citações</a>



Para correções, sugestões, críticas e elogios, entre em contato! Clique <a href="http://arquivo.potterish.com/?p=con">aqui</a>.